Senhor Benguelense afirma que os seus peidos podem matar mosquitos a seis metros de distância.


Um homem da província de Benguela afirmou que os seus peidos podem matar mosquitos a seis metros de distância. António Macuva, 48 anos, é natural da Ganda província de Benguela, e diz que a sua alimentação é comum e que os seus peidos não tem cheiro diferente ou pior do que os de outras pessoas, mas para insectos, como mosquitos transmissores da malária, o gás que ele exala é mortal.
Os peidos repelentes de Antonio são famosos na cidade e as pessoas sabem que sempre que ele está por perto, os mosquitos desaparecem magicamente. Alguns dizem que os peidos do homem evoluíram para combater mosquitos: “Ele é conhecido em toda a cidade como o homem que pode matar mosquitos com os seus peidosQuando Antonio está por perto, todos sabemos que os mosquitos desaparecem.”, disse o barbeiro local Jota Tchitunda.
Os amigos de António  dizem que ele respeita as pessoas à sua volta e só peida quando há mosquitos que trazem malária.
“Ouvi falar do dom de António e o levei para ajudar a limpar os mosquitos que infestam nosso entorno”, disse um chefe local. – “Ele respeitosamente dá uma sopradas isso ajuda a erradicar os insectos. Ele faz o que faz e eles caem, como moscas.”
António Macuva, que vive de biscates, chegou ao ponto de afirmar que as seus bufus são fortes o suficiente para derrubar insectos num raio de 10 quilómetros, uma potência maior do que a bomba atómica que destruiu Hiroshima em 1945: “Tenho o cheiro de um homem normal e tomo banho diariamente e os meus peidos são como todos os outros, eles são perigosos para pequenos insetos e principalmente mosquitos”, insiste António Macuva.
O homem de Benguela agora sonha em ter seus peidos para matar insetos transformados em um repelente comercialmente disponível: “Imagina só comprar uma lata de inseticida com a minha cara nela!”, disse ele aos repórteres. No entanto, as empresas que, ele afirma, já o contataram (e pagaram) para estudar as suas ventosidades ainda não confirmaram as suas declarações.

Publicar um comentário

0 Comentários